quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Liberdade de expressão

(Eu de ponta cabeça no brinquedinho)

Certa vez, passeando por ruas mineiras, vi uma garotinha vestida de Branca de Neve, felicíssima. Não era Halloween, nem Carnaval, muito menos qualquer data especial que pedisse qualquer traje incomum. E porque que cargas d'água estava aquela criança vestida de tal forma num calor que não era distante de 4 dezenas de graus celcius? Por que ela queria, oras! E todo mundo a olhava, suspirava e achava liiiindo demais.


Imagino se EU resolvo assim do nada sair fantasiada de Rapunzel. Penso que as reações podem ser um tanto quanto adversas e bem piores das que provoco quando vou ao supermercado de pantufa ou quando uso minhas plataformas quase maiores que eu pra passear no shopping.


Virou e mexeu, estou eu sonhando em voltar a ser criança pelos motivos mais reles, como ganhar um xampu da Xuxa por ir ao médico sem esperniar, escorregar no brinquedo do Mc Donald's e todos aqueles brinquedos divertidíssimos de festa infantil e ainda ganhar sacolinha surpresa.


Esses dias fui ao banco e levei a minha sobrinha, arranquei-a do quintal, do jeito que estava e soquei no carro. Não que eu quisesse tirá-la de qualquer diversão, mas era um zilhão de vezes mais seguro ela ir comigo do que se aventurar sozinha no quintal de casa. Minha pessoa já estava emburrada de ficar na fila e a pequena criança torcendo para demorar. Ela fez das linhas do chão, aquelas que ajeitam a fila, uma pista de corrida, de repente, as linhas serviam para ela virar uma estrela perfeita e num piscar de olhos, seus chinelos da hello kitty eram as traves do gol e eu me segurando para não rir daqueles caras-pálidas apreensivos na fila em levar uma bolada, SIM, ela estava se divertindo muito...tá vai, eu também.


Ser criança só tem vantagens, falar o que quiser, o que der na telha. É poder cantar bem alto no supermercado aquela ingênua música do coelhinho, sabe? "Cuelhinho, se eu fosse como tu, tirava a mão do bolso e enfiava no seu" (bis). Ou a "Cuca foi no mato, caçar tatu, apareceu uma cobra e picou o seu" (bis). Entende?


Já imaginou alguém vir te perguntar as horas e você com aquela preguiça de olhar pro relógio apenas dizer "a mesma de ontem" ou "5 e 60" sem provocar olhares furiosos? Criança pode, e ainda parecer bastante "espirituosa" e muito "bem humorada". E se alguém mandar calar a boca, soltar um "cala-boca já morreu, qm manda na minha boca sou eu!" bem alto e com direito a uma língua bem grande para fora da boca no final.


É gente, isso sim é liberdade de expressão.

2 comentários:

TI/\GO disse...

"Uoooooooo....uouou sweet child o'mine... uouououou... sweet love of miiiine..."

Túlio disse...

Pior q vc me conhece né Tatynha, eu sou uma eterna criança!!! Por mim eu sairia de Aquaman na rua, mas aí buscariam a camise de força!!!
E além de criança sou velho, pq meus alunos perguntam a hora e eu falo "São 5 e 60" e eles olham com aquela cara de interrogação, pena, não conheceram o Papai Papudo!!!
Não são o Peter Pan, nem o Michael Jackason mas tb vivo em Neverland!!!